"Nenhum Vento sopra a favor de quem não sabe para Onde ir."

sábado, 14 de julho de 2012

Heróis

"... meus heróis morreram de overdose" assim dizia Cazuza, para mim é lastimável que um dito 'herói' se preste a morrer assim, muito pouco para aqueles que se dizem ser exemplo de algo na humanidade. Eu realmente não vejo motivo para chamar de Heróis e grandes ícones da humanidade pessoas que fizeram muito, mas por elas mesmas, retidadas no seu egocentrismo, por favorecimento do seu ego. Herói para mim não é 'Alexandre, o Grande' nem 'Napoleão Buonaparte' por exemplo, os verdadeiros heróis lutam pelos menos favorecidos, por aqueles que precisam ser defendidos, aqueles que precisam de incentivo, de exemplos e eles, os verdadeiros heróis os dão. São os 'Che guevaras' da vida, aqueles como 'Zumbi dos Palmares' ou com certas ressalvas até aqueles como 'Robin Hoods' da vida, aqueles que não abandonam suas causas e lutam até o fim por elas, com coragem e com força para defender não só o que acham justo e correto, mas para acima de tudo exaltar um todo e não apenas eles mesmos. Que mesmo passando por tudo que é tipo de privação, ainda assim, lutam por suas causas. 
Heróis assim como estes abaixo:

E por incrivel que pareça, enganam-se vocês que pensam que exemplos como estes viveram no passado e não mais existem; hoje eles nascem, vivem e convivem em meio à nós também; heróis, aqueles que assim como os já citados, lutam por suas causas e por um todo estão vivos no presente, naqueles que defendem os indíos e seus direitos em meio a guerra ruralista no Brasil, guerra por terra, guerra por dignidade em meio às nossas vastas (nem tão mais tão vastas assim) matas, aqueles que vão de encontro aos sistemas, governos e 'maiorais' dos variados locais que oprimem os que mais necessitam; heróis, aqueles que defendem com a alma, os pobres, os miseráveis, os que morrem de fome, desidratados, por exemplo, nos mais variados locais da grande mãe Africa, os que vivem em meio às guerras que no fundo, no fundo pouco tem a ver com seus reais interesses; heróis, aqueles que honrosamente conseguem ali viver, aqueles que tentam a todo custo manter uma vida digna na Faixa de Gaza, sem nem sequer conseguir imaginar o que vai ser do seu amanhã, do amanhã do próximo, do amanhã da sua própria nação. Enfim, a estes eu orgulho-me de chamar de heróis, aos outros ícones de grandeza da historia da humanidade, que muito fizeram, que muito se destacaram, eu chego em alguns casos a admirar de certa forma seus feitos, porém, chama-los de heróis, para mim, já é demais.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Brasil, um país do turismo e do futebol.





 Incrivelmente cada vez mais me decepciono com o país no que diz questão a politica. Até porque, sinto muitíssimo em dizer que nem sequer vejo como esse quadro pode mudar, dizem que a esperança é a ultima que morre, portanto apenas ela me resta, a esperança de que algum dia isso mude. Para mim hoje o mais frustrante é estarmos sempre lutando contra o retrocesso e não a favor efetivamente do progresso, votamos no ‘menos pior’ e no que não represente de fato um retrocesso histórico para o país.
Um país onde a educação NÃO É PRIORIDADE, onde os políticos ganham cerca de 40 vezes mais do que um trabalhador assalariado, onde a população ainda assim elegem políticos fichas sujas, comprovadamente corruptos, políticos que nem sequer se preocupam com a sua própria reputação, políticos que mal sabem ler e escrever, e todos estes no fim são os que nos representam. 
A política onde se faz festa de inauguração de um SEMÁFORO, de uma PRACINHA DE LARGO, onde isso é feito em pleno ano eleitoral, mostrando descaradamente sua real intenção; onde no âmbito político nacional a luta é votar contra PISO salarial para funcionários públicos (que recebem absurdamente bem obrigada), a favor do próprio aumento salarial para os parlamentares, onde regalias absurdas são oferecidas não só para os políticos como para seus amigos, pais, primos etc, onde nós pagamos por TUDO ISSO, onde na lista de aprovados num concurso publico por exemplo para uma prefeitura dessa qualquer não é novidade se debater com parentes e amigos próximos de políticos, onde políticos são contra propostas a favor da educação, a favor da sustentabilidade, de políticos fichas sujas e contas sujas, e de tantas outras questões que nos influenciam diretamente e que REALMENTE IMPORTAM. É cada absurdo, que chega a me enojar. Como é possível se investir efetivamente na população, como esse país pode evoluir? Aliás, como esse país pode evoluir e levar a sua população a evoluir juntamente com ele. Pois nos braços do povo que trabalha duro todos os dias, 8 horas por dia, 6 dias por semana e que ganha apenas um salario mínimo, o país sempre se desenvolveu, alias, o país sempre se desenvolveu às custas do sacrifício conjunto da massa trabalhadora que não tem NENHUMA REGALIA, nos braços do trabalho escravo, em meio a pobreza extrema, a fome, a falta de educação, aos sacrifícios dos mais necessitados. Então a questão é realmente essa, como evoluir em conjunto? Será que isso é possível? Será que isso é de real interesse da massa politica que aí está? Pois pra mim país desenvolvido é aquele que a população É DESENVOLVIDA, onde estudar é DIREITO e não sacrifício, onde o estado se desenvolve junto, não só com a população como também modificando maus costumes que aí estão e que atrasam a evolução do estado, onde os ricos andam de transporte publico, estudam em escolas publicas, onde os políticos não apenas se importam com o próprio umbigo, mas com o umbigo dos demais que ele representa.
E por fim, realmente o país TEM QUE SER TURISTICO E VOLTADO PARA O FUTEBOL, pois a beleza da nossa natureza, mesmo diante de tantos danos ambientais que já sofreu e ainda sofre, continua exuberante; e o talento para futebol não se adquire, vem de berço. Então diante do caos que as outras questões no país se encontram: educação, politica, transporte, saúde, segurança; apenas coisas NATURAIS, QUE NOS FOI DADA DE BERÇO é que se pode criar a imagem benéfica do país, já que outras questões fundamentais se encontram ao léu. 


sábado, 28 de abril de 2012

uma dor

Eu choro, e o faço todos os dias... tanto, que isso esta implícito em mim, já faz parte da minha rotina, choro por vários motivos, mas o motivo principal do choro, no fundo, no fundo, é a difícil constatação de que eu não sou feliz =/ 

É, exatamente isso mesmo que você acabou de ler, eu não estou reclamando, não estou exagerando, apenas estou constatando um fato, e diariamente o faço com mais vigor, já que a minha vida insiste em me dar motivos para atualizar essa constatação.
O fato d’eu chorar todos os dias, não o faço por me importar mais com a situação, faço porque é inevitável não sentir a dor de olhar pra trás e ver que um dia tudo foi diferente, que já fui feliz, dói saber que isso já esteve em suas mãos e se perdeu nas esquinas da vida; dói saber viver o hoje, dói observa-lo, dói a constatação em si, dói olhar pra um futuro distante e se perguntar se um dia ela, a felicidade, irá voltar e dói porque eu não queria ser feliz amanhã, ou num futuro distante, queria ser feliz agora, queria que a vida me mostrasse com fatos concretos, que essa possibilidade está presente em minha vida no agora.
 É, eu não sou, e isso não importa a ninguém; meus pais não se importam, meus amigos não se importam, EU não me importo, pelo menos não mais; Sabe, um dia eu me importei, outros eu me questionei, no outro reclamei (alias em vários eu reclamei), uns supliquei por respostas, busquei atitudes, fatos que pudessem me ajudar a mudar essa situação, mas como dizem ‘com o passar do tempo você se acostuma’, e se acostuma mesmo, até a não ser feliz. Hoje eu não faço nada mais disso, hoje eu vou levando a vida com esse peso em mim, procurando apenas vive-la, sem criar tantas expectativas, nem nada mais, já que por ter justamente me acostumado com a situação, não vejo tanto sentido em cria-las.
Aí você deve me achar insana, ingrata, porque eu tenho pais, tenho amigos, tenho um teto, tenho comida... exato, tenho isso tudo, mas mesmo assim não sou feliz; e eu não consigo realmente entender porque isso me obrigaria a ser, na verdade, não é que eu não tenha noção do quanto essas coisas são importantes, claro que eu sei disso, o problema é que eu não mando no que eu sinto, e eu não me sinto feliz...
Momentos de felicidade, isso sim eu tenho, alguns poucos, mas tenho... de qualquer forma por um lado esses momentos me fazem sentir como é bom tê-los, e de outro lado me trazem a tristeza de saber que eles são poucos, não duram muito e principalmente a presença deles e posteriormente sua ausência me faz constatar com mais veemência que eu realmente não sou feliz. Na verdade, isso nem tem tanta relevância em minha vida, são tão poucos esses momentos, que acredite, eu não me apego mais tanto a eles, nem às suas consequências em minha vida, nem positivas, nem negativas.
Talvez eu até seja depressiva, mas acredito que não... um dia eu já fui, quando eu me importava mais, quando eu tinha pena de mim (e isso pra mim é a constatação real de uma depressão, quando você chega ao ponto de você mesma ter pena de si), mas hoje, hoje que passei por essas fases, hoje eu não tenho mais pena de mim, apenas não me importo mais.
Na verdade o meu grande desafio atualmente é conseguir voltar a acreditar veementemente em algo, ter de verdade esperanças (aquelas que fazem nossos olhos brilharem), me entregar de coração a algo, a um sentido, a um ser, a uma causa; me falta interesse, me falta empolgação, talvez falte estimulo, sei lá, eu sei que me falta algo mais.

obs.: Comentario em off 

Talvez eu também não tenha perdido totalmente as esperanças. É, acho que não; porque quando durmo a noite e sonho, quando acordo, me recuso a acordar, fico rolando na cama, tentando voltar a dormir, nesses momentos eu até sinto uma certa inveja dos ursos, porque eles podem hibernar, será que eles também sonham? Se o fazem, são sortudos, pois por mais que a vida deles não seja o que eles sonham, ou gostariam que fosse eles podem viver bem mais a ilusão do sonho, curti-lo um pouco mais; já no meu caso porém, eles duram pouco, acordo e tomo o tapa frequente, todos os dias, da diferença que é o sonho, da minha realidade, tão diferente... e aí eu choro, levanto, vou fazer meus afazeres, as obrigações que a vida me dá.

sábado, 24 de março de 2012

Tenho medo...


‎"Meu mundo mudou..
De pequeno,ouvi grandes histórias de romance..
Cresci e percebi q tudo se distorceu!
É um clima de medo!
Medo de se aproximar,de falar,de se apegar,de sentir...
A humanidade tem aceitado o fato que o ser humano
Não consegue ser fiel a valores...
A humanidade tem pregado que o ser humano não
Consegue ser fiel a seus sentimentos...
MENTIRA!!

Por que eu tenho uma pessoa especial e
preciso ter outras na minha vida?
É porque essa pessoa não é perfeita?
E existe alguém perfeito?
Se eu tiver mais,estarei aproveitando a vida?
Não aceito e nunca aceitarei que não posso confiar no que sinto!

Quero alguém pra cuidar e que cuide de mim..
Uma pessoa pra confiar e que confie em mim..
Que ouça meus assuntos,mesmo se forem chatos..
E que ria comigo ,sem se importar com terceiros!
Que me faça pensar,antes de tomar decisões importantes..
Que brigue comigo,se precisar me abrir os olhos para a verdade..
Que me faça sentir mais vivo!
E eu restribuirei tudo isso...

Se eu sou louco? talvez,quem sabe...mas prefiro viver na loucura
Do que fazer meu coração chorar e não ter,
Sofrer,sangrar e morrer,
Só porque não me permiti amar..."

(Alysson Costa)
PERFEITO, entrou na minha mente, leu e escreveu isso tdo aí rsrs Parabéns x)


E é exatamente disso que eu tenho medo, tenho medo de que as circunstancias e as experiências na minha vida venham e me modifiquem, me encham de amargura e de falta de esperança, que um dia elas me mostrem que não vale a pena ser quem eu sou, acreditar nos valores que acredito, porque pelo que vejo é mais fácil seguir sem eles, é mais fácil se acostumar a inversão de valores que a sociedade nos impõe, do que lutar contra, bater sempre de frente, as vezes acabar se isolando, criando seu mundo particular, as vezes isso tudo cansa... Não consigo entender, talvez eu ainda seja uma alma ingénua demais para entender porque, PORQUE a gente tem que crescer acreditando que vale a pena, e desacreditar quando adultos, porque temos que 'virar a casaca' com o tempo...a meu ver o tempo nos traria a confirmação de que vale a pena SIM, de que o que importa é sim o interior das pessoas, é acreditar nos valores, no carácter,que existem pessoas boas SIM, e daí que a sociedade não as valoriza? e daí que a maioria das pessoas não as entendem? crescem acreditando, ou com o tempo vão se acostumando a acreditar que a aparência é que importa, que o dinheiro é o que importa, que o status é o que importa, que sexo é apenas prazer e não significa nada, que abraço é desculpa pra se aproveitar, que amor é perda de tempo, que traição é normal e que como dizia Tim Maia:
'E na vida a gente
Tem que entender
Que um nasce pra sofrer
Enquanto o outro ri..'

Hoje eu digo NÃO, eu não tenho que entender, nem me conformar, nem passar a acreditar nisso, hoje eu tenho certeza que a sociedade que esta errada, a inversão de valores não é o correto, que o que importa é o interior das pessoas, seus sentimentos, seu carácter, seus valores, que como bem disse Fernando Pessoa:'tudo vale a pena quando a alma não é pequena'... porque o feio não pode amar? porque a beleza dita como padrão é beleza, e porque isso tem que me importar? porque tenho que acreditar que homem bonito é o forte, cheio de músculos, esbelto; que mulheres bonitas são as que são lindas de corpo, que tem o cabelo liso/alisado, são magras e também esbeltas, que eles tem que ter dinheiro, que negro eh feio, que homossexual eh feio, que tatuado é feio, nariz assim, boca assim é feio e etc e tals... Linda é a alma, verdadeira é a beleza da alma, a alma que é capaz de amar, de se doar... quantas pessoas há neste mundo que se encaixam nesses padrões e não são felizes nem capazes de trazer felicidade pra vida de ninguém... Tem muita gente fútil, e muita gente perdida que consegue ser mais fútil do que essas pessoas por acreditarem e disseminarem esses padrões...
Mas meu medo é eu acabar descrente, meu medo é um dia, eu acabar não acreditando mais, simplesmente cansar de ir de encontro a corrente. Porque é difícil se impor diante de tantos valores inversos.
E assim eu desejo a mim e a todos que ainda acreditam, que ACREDITEM AINDA MAIS, que o tempo, as experiencias, as alegrias e as decepções nos mostrem que cada degrau deve ser subido de cada vez, que fortalece, que Elis Regina estava certa quando nos disse:
'Vivendo e aprendendo a jogar
Vivendo e aprendendo a jogar
Nem sempre ganhando
Nem sempre perdendo
Mas, aprendendo a jogar'

Aprender a se esquivar de tudo que nos é imposto. Que sofrer faz parte, assim como sorrir também faz parte, que o que nunca, jamais deve fazer parte é não acreditar que valha a pena, que a esperança em nosso coração nunca se apague. =/

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Uma droga inebriante...



"Começa quando o objeto da sua afeição, dá a você uma dose inebriante e alucinógena de alguma coisa que você nunca ousaria admitir que queria. Uma droga emocional de amor e vibração estrondosos. E logo você começa a desejar essa atenção com a obsessão faminta de qualquer viciado; quando isso é negado você fica doente, louco; sem mencionar o rancor que sente pelo traficante que o incentivou a princípio, mas que agora se recusa a pagar pela boa droga.
Que sacanagem, ele sempre te deu isso de graça. No próximo estágio você está magra, tremendo num canto, certa apenas de que você venderia a sua alma só pra ter isso mais uma vez.
Enquanto isso, o objeto da sua adoração é agora desprezado por você. Ele olha pra você, como alguém que nunca viu antes. A ironia é que você dificilmente põe a culpa nele; e então, quando você se olha está acabada, irreconhecível até para os seus próprios olhos.
Nesse momento você chegou ao destino final da paixão, a completa e cruel desvalorização de si mesma."


video

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

'Um romance de Imperador'


Eles se conheceram numa dessas noites bem frias e bucólicas de inverno; o cortejo dele e a dança sensual os envolveram, e finalmente quando se encontraram face a face, já sabiam: o amor seria eterno. Ele, um solitário imperador nato, e ela, uma fêmea frágil de corpo esguio; uma vez juntos, fizeram parte dos 15% em que o amor vai além de fiel, é eterno.
Alguns meses havia se passado até que a notícia veio a tona: um herdeiro estaria para chegar. A estrutura do casal então foi abalada, ela ficou deprimida, agora todos a olhavam de maneira diferente, perdera as forças. Durante todo esse processo eles se afastaram bastante, ela chegou a passar meses fora, deixando o progénito aos cuidados dedicados do pai. Foram momentos difíceis, o filho sugava toda energia e tempo do pai, porém no momento mais crucial, a voz doce dela voltou, o canto suave, o carinho e o amor verdadeiro de mãe.
Agora tudo era diferente, tudo voltava ao seu devido lugar. A mãe a cuidar do filho e o pai de volta ao mar, a pescar o alimento da família. O filho cresceu, entrou na creche, tomou ares de adulto, abandonou a colónia e buscou a pesca sozinho, seguindo o rumo natural da vida.
Observar tudo isso, a fidelidade, apesar da distância, o amor e o carinho entre a família, a proteção e a compreensão para com os demais, o viver e conviver bem com a vida, a harmonia com tudo que é vital para a manutenção dela e a superação acabou mudando também o sentindo da minha vida, virou espelho para mim. A felicidade hoje significa outra coisa na minha vida, algo que infelizmente para nós humanos é difícil de encontrar, na realidade eu queria ter uma vida como esta, no fundo, no fundo, eu queria também ser pinguim.


Aluna: Taiane Souza - Disciplina: OLE - Profª.: Acácia Monteiro - Eng. Ambiental/2011.2 - Faculdade UNIJORGE